Saturday, August 04, 2012

O tempo dos silêncios




Pina Bausch Tanztheater

É tempo de paragem! De outras paisagens, que se desdobram em íntimos passeios, já que o verão, este ano,  não traz em si aquelas brisas de final de tarde com cheiro a calor, nem o mar nos estende seus aromas de maresia. O oceano não aquece com este sol sem brilho nem resplendor. 

Mas é tempo de aspirar o tempo que nos oferece o universo. E de observar...

Não és o corpo, não és os sentimentos e não és os pensamentos.
És a consciência silenciosa que observa tudo isso. 


Aruna

Tempo de deixar fluir o pensamento sem véus nem filtros. Apenas fluir como quem olha as águas de um rio que deslizam entre as margens sem pressa nem cuidados.

Nessa afluência, o tempo trouxe a lembrança da noite de 5 Agosto. Cumprem-se 50 anos sobre a morte de Marilyn Monroe, essa mulher frágil que partiu na fria solidão, apesar de desejada por tantos. 



Marilyn Monroe
foto: Sam Shaw

Este é o ano de muitas celebrações. Livros, filmes, artigos. Talvez a mais bela homenagem tenha sido a do Festival de Cannes 2012 ao apresentar Marilyn como égide do cartaz, no gesto simbólico de um sopro em forma de beijo. Gracioso. 




Cartaz Festival de Cannes 2012

Também o filme My week with Marilyn que vi no outono passado foi uma descoberta interessante. Baseado numa história verídica que decorreu durante as filmagens do célebre O Príncipe e a Corista que a RTP2 vai passar esta noite.



Com o tempo de volta,  descobri  o sítio web oficial de homenagem a Marilyn Monroe. Homenagem de admiradores.

Marilyn, "uma referência eterna e decididamente contemporânea da graça, do mistério e da sedução."

A história de vida de Marilyn continua a fascinar muitas pessoas em todo o mundo.  E assim, em 2010, foi editado um livro contendo escritos seus originais.




Fragments, poems intimate notes & poems
Marylin Monroe 
Farrar, Straus and Giroux (2010)


Fragments reúne  uma colecção de manuscritos inéditos e fotos de Marilyn Monroe, guardados durante 48 anos pela viúva do director Lee Strasberg, seu professor de artes cénicas. O tempo de novo.

"Beyond the headlines - and the too-familiar stories of heartbreak and desolation -was a woman far more curious, searching, witty, and hopeful than the one the world got to know.A ler aqui

Mas, esta intromissão na vida privada, me coloca uma questão ética. Até que ponto há o direito moral de publicar escritos intimistas, se não autorizados (por vontade da própria reconhecida), após a morte de um ser humano? 

É a esse ser humano que se escondia por trás da actriz que deixo este tributo.

"It is often just enough to be with someone. I don't need to touch them. Not even talk. A feeling passes between you both. You're not alone."

Marilyn Monroe

Voltarei depois de um tempo de silêncios. Outras paisagens. Serenidade. Leituras.

Miosótis (pseudónimo)


fragmentos da noite com flores

 
04.07.2012
Copyright ©2012-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com® 

Licença Creative Commons


18 comments:

Luna said...

no fundo chegamos a este mundo despidos de tudo e partimos vestidos de nada,existem pessoas que partem mas por algum motivo continuam a marcar pedaços das nossas vidas
beijos

Armando Sena said...

Tem também dessas vantagens o insípido verão que foge à regra: incentiva-nos a novas descobertas.
Cpts.

Å®t Øf £övë said...

Miosotis,
Tenho andado afastado da blogosfera, porque como o título deste post bem diz, os silêncios muitas vezes dizem tudo... mas estou bem, e é bom voltar a sítios onde nos sentimos em casa, como é o caso deste cantinho aqui.
Um beijinho grande para ti.

Virgínia do Carmo said...

Teremos nós o direito de conhecer as profundezas da humanidade de Marilyn? Também me pergunto.

Espero apenas que respeitem o seu próprio direito à paz.

Um beijinho, Miosótis.

Nilson Barcelli said...

Na verdade, à partida parece-me imoral publicar coisas íntimas de outra pessoa sem o consentimento dela. Acto que seria suavizado e talvez desculpado se os proveitos fossem doados a uma instituição de caridade ou cultural.
Querida amiga, tem um bom fim de semana e, se for o caso, boas férias.
Beijo.

mfc said...

Nestes tempos de evocações, desejo que tenhas umas óptimas férias e que voltes com permanente bom gosto das tuas escolhas e da tua escrita.
Até breve...

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa said...

A solidão... Sempre a solidão... A pior solidão é aquela que sentimos quando estamos à deriva num mar de gente... A solidão maldita que, de forma brutal, colide frontalmente connosco.
Foi o que aconteceu àquela que nasceu Norma Jean.
Um abraço.

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa said...

"It is often just enough to be with someone. I don't need to touch them. Not even talk. A feeling passes between you both. You're not alone."
É bonito este pensamento, mas não creio que isso aconteça assim tão frequentemente.


Elisa T. Campos said...

E aí é verão. Aqui início de primavera com gosto de verão.
Lembrar de um ícone do cinema que nos marcou sempre bom. Bela postagem.

bjs

Miosotis said...

Linda a tua mensagem, Luna! Porém, alguns partem vestidos de tantas mágoas... teria sido o caso desta mulher que teria tudo para ter vivido feliz.

Um beijo,

Miosotis said...

É verdade, Armando, este 'insípido verão' acabou por nos abrir outros caminhos.

É com gosto que passei a lê-lo!

Abraço,

Miosotis said...

Olá Art_

Quanta saudade!
Eu compreendo-te... os silêncios são importantes nas nossas vidas.

Também eu, como vês|lês, me silencio durante largos hiatos de tempo!
E, de vez em quando, vem-me aquele sentimento de voltar aqui, a este espaço de alguns afectos.

Fico muito feliz por saber que estás bem :)

Beijinho grande para ti, também.

Miosotis said...

Eu penso que não, Virgínia... aliás, revolto-me sempre com estes actos que só encerram desrespeito pelos que partem.
E muito pior! Quando exploram a vida dos outros com um fim tão materialista.

Acho que muito poucos têm respeitado o seu eterno direito à paz...

Um beijo fraterno,

Miosotis said...

Ainda bem que compreendeste o significado desta mensagem, Nilson!

Nem isso! Os proveitos não foram certamente para instituições ligadas à arte, à formação de jovens artistas.

Muito obrigada pelos teus votos de boas férias. Como poderás ler no post 'Paisagens narradas' foram apenas de alguns dias... mas muito agradáveis.

Boa semana!
Um beijo,

Miosotis said...

A solidão... nem sempre é um drama! Há momentos em que aspiramos a momentos de solidão, não acha Isabel?

Mas sim, estou de acordo que deverá ser terrível um ser sentir-se só e viver rodeado de gente.

Marilyn, nascida Norma Jean, foi um desses seres :(

Gostei muito de a receber no meu espaço. Muito obrigada.

Um abraço,

Miosotis said...

"It is often just enough to be with someone. I don't need to touch them. Not even talk. A feeling passes between you both. You're not alone."

Concordo com a beleza deste pensamento poético de Marylin. E talvez que a sua solidão fosse tão profunda, ao ponto de ela apenas desejar este tipo de contacto... As profundezas da alma humana são insondáveis, tantas vezes!

Abraço, Isabel

Miosotis said...

Pois tem razão, Elisa. o nosso verão não é coincidente. Mas aqui, o verão não passou de uma primavera muito fresca...

Lembro, pelo respeito que Marilyn me merece depois de uma morte tão solitária...

É sempre um tributo fraterno

Beijos

Miosotis said...

Art_

Tentei aceder ao teu blogue, mas não consegui. Gostaria de te agradecer e deixar um beijo...